Publicado pelo cio.com.br

Engajar e fidelizar clientes são dois desafios constantes no planejamento estratégico e de marketing das principais empresas de varejo. Contudo, junto a esses dois tópicos surge um questionamento importante: como fazer isso?

A facilidade de acesso às novas tecnologias tem feito com que a experiência de compra de um produto seja repensada, pois o marketing da década passada, com campanhas milionárias na TV e outdoors, não é mais suficiente. O ato de comprar um produto vem se tornando uma forma de interação social, diversão e envolvimento com a marca.

O processo de compra de grande parte da população está relacionado à coleta de dados do produto desejado antes da efetuação da compra, seja por meio de sites especializados, seja pelas redes sociais. O site “Reclame Aqui”, por exemplo, possui mais de 15 milhões de consumidores cadastrados que interagem e classificam seus fornecedores.

Termos como user experiencebig data, internet das coisas (IoT) e realidade virtual são constantes em fóruns de discussão sobre novas tecnologias. Contudo, um conceito em especifico ganha destaque como uma das principais apostas de grandes empresas para engajar o consumidor: a “Augmented Reality” (AR) ou, em português, Realidade Aumentada.

Mas o que é a Realidade Aumentada?

Tecnicamente, a realidade aumentada é o conteúdo gerado por computador que se sobrepõe ao mundo real, proporcionando uma nova visão do ambiente físico, cujos elementos são “aumentados” através de estímulos sensoriais.

O principal pilar da realidade aumentada é a combinação entre o mundo físico e o virtual por meio da utilização da tecnologia contida em dispositivos de hardware que possuam câmeras, acelerômetros, GPS e/ou sensores. Com a tecnologia, é possível, por exemplo, visualizar a planta de um apartamento em três dimensões realizando o simples ato de apontar a câmera de um celular para o desenho de sua estrutura.

Vale ressaltar que, ainda que caminhem juntos, há uma grande diferença quando se fala em realidade aumentada e realidade virtual. A segunda é composta pela imersão completa em um mundo virtual, como a utilização dos óculos de realidade virtual, que transportam o usuário para um mundo totalmente artificial, diferente da realidade aumentada.

Realidade Aumentada na Prática

Na busca pela melhor maneira de atingir seu público-alvo, diversas iniciativas estão sendo experimentadas junto ao mercado consumidor. A seguir, são exemplificadas 3 possíveis aplicações de customização:

• Customização do espaço físico
Consiste na utilização de aplicativos que permitem transformar o espaço físico, visualizando um produto de um catálogo de móveis em tamanho real na sala de sua casa, por exemplo, apenas apontando seu smartphone para o local desejado.

• Customização do usuário
Outra utilização possível é a transformação do próprio usuário, permitindo “experimentar“, por exemplo, uma maquiagem através de um espelho digital que sobrepõe o produto sobre o seu rosto, ou apontar um smartphone para os pés e escolher um novo modelo de tênis.

• Customização da informação
Por último, soluções que consigam reduzir a quantidade de informações impressas ou de produtos em exposição. Apontando o celular, o consumidor é capaz de visualizar outras cores do mesmo modelo ou mesmo informações complementares, como avaliações de outros clientes.

Desafios

Segundo Gartner, o tema está entre as 10 tendências de tecnologias estratégicas para o ano de 2017. Além disso, segundo a International Data Corporation (IDC), a expectativa é de que as receitas mundiais para este mercado de realidade aumentada e realidade virtual (AR/VR) cresçam de US$ 5,2 bilhões em 2016 para um montante de aproximadamente US$ 162 bilhões em 2020.

No entanto, apesar dos avanços destacados nos últimos anos, a tecnologia de AR ainda está em fase de experimentação e aprovação dos usuários. As empresas que desejam investir nessa tecnologia não podem desperdiçar seus esforços no desenvolvimento desenfreado de aplicativos. Elas devem focar em entender a melhor forma de interagir com seus clientes através da tecnologia.

O modo como serão apresentadas ao usuário as possibilidades tecnológicas da realidade aumentada definirá sua aceitação no mercado. Consequentemente, quanto maior a aceitação, maior será o investimento despendido para a tecnologia, gerando um ciclo virtuoso de desenvolvimento tecnológico.

É indiscutível o potencial de crescimento da Realidade Aumentada e em poucos momentos da história a sociedade esteve tão receptiva ao avanço tecnológico que ela pode proporcionar. O mercado ainda não possui uma empresa líder nessa tecnologia e a corrida para alcançar o pódio ainda está em progresso. As organizações que entenderem como tornar perceptível aos seus clientes o valor e as infinitas possibilidades dessa “Nova Era” de uso da informação estarão na vanguarda do mercado nessa nova fase.